VIDA... VALORIZANDO O AMOR

VIDA... VALORIZANDO O AMOR

Por Ana Luiza Nazareno 

A Humanidade, hoje, em pleno século XXI, vem demonstrando uma grande desvalorização da vida.

Vida banalizada, incompreendida, desequilibrada é o que se vê a todo instante. Tira-se a vida de alguém com uma facilidade como se viver fosse a coisa mais banal do mundo. Tira-se a própria vida nos excessos de toda ordem, sem preocupação nenhuma com o que é tão importante, no uso dos alcoólicos, do sexo exacerbado, das drogas, da comida em excesso, enfim, o suicídio lento e involuntário. A gestação indesejada faz tirar a vida do ser que se forma no ventre de quem não vê a vida como algo tão sério e importante e o aborto é feito com a mesma facilidade com que se livra de uma doença indesejada.

Vida que é vivida em constante desequilíbrio pela raiva, pela intolerância, pelo egoísmo, pela falta de amor.

Jesus nos faz uma colocação muito profunda quando diz que veio para que todos tivéssemos vida e vida em abundância. Ora, que vida é essa que o Cristo veio para nos dar? E aí nos lembramos de que o Mestre veio para nos ensinar a lei de amor, a viver o amor em toda sua plenitude. Dessa forma, a vida que Ele nos trouxe tem por alimento o amor como força de nossas almas, A vida é, pois, a personificação do amor de Deus para conosco, e este amor o Pai nos envia na pessoa de Jesus, que diz ter vindo para que todos tenhamos vida, isto é, o próprio amor.

O Espiritismo, o Evangelho revivido de Jesus, convida-nos a valorizar a vida, não com os valores que o mundo oferece para aproveitar essa vida, mas da maneira como o Cristo nos oferece na Boa Nova.

Aproveitar a vida, segundo a Doutrina Espírita e à luz do Evangelho de Jesus, é fazer o bem a nós mesmos e ao próximo; é vivenciar o amor que nos alegra e nos faz felizes; é ter o amor como luz a iluminar os nossos caminhos e os do outro que caminha conosco.

Aproveitar a vida é perdoar as ofensas; é compreender o nosso irmão que não pensa como nós; é ensinar o Evangelho a quem ainda o desconhece; é estender a mão para levantar o caído; é enxugar as lágrimas de quem chora; é fazer com que o outro veja em nossa vivência o exemplo vivo de Jesus.

Aproveitar a vida é consolar, à luz da Doutrina Consoladora, os que acham que a morte é o fim, dizendo-lhes que somos imortais e que morrer é apenas atravessar o grande portal da vida eterna; é esclarecer, à luz dessa Doutrina Sublime, que somos viajantes de muitas eras e que aqui é só um momento de refazimento e aprendizado, lembrando que, pela lei de causa e efeito, sou livre para plantar, mas obrigado a colher o que plantei.

Valorizemos, portanto, a vida, vivendo-a com amor; não o amor egoístico, que nos leva a amar só quando formos amados, mas o amor doação, altruístico, renúncia. Valorizemos a vida na vivência do amor que nos faz felizes, não porque alguém nos fez felizes, mas porque fazemos o outro feliz.

Vida...valorizada com o amor por excelência!